Covid-19

Uma das vacinas experimentais mais avançadas contra a Covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, oferece resultados promissores para poder frear a pandemia do novo coronavírus. A injeção gera uma forte reação imunológica sem provocar efeitos adversos graves.

As fases 1 e 2 dos testes, que foram conduzidas simultaneamente no Reino Unido, tiveram 1.077 voluntários. Os ensaios mostraram que a vacina foi capaz de induzir a resposta imune tanto por anticorpos como por células T até 56 dias depois da administração da dose.

Os pesquisadores acreditam que a vacina, que está na terceira e última etapa de testes, tem cerca de 80% de eficácia na prevenção da forma grave da doença.

Nesta segunda-feira, 20, o Brasil chegou a 2.118.646 casos confirmados de coronavírus e 80.120 mortes. A média móvel de casos registrados nas últimas 24 horas foi de 33.382,7 e 1041 óbitos. Os números…

A vacina contra a Covid-19

ela utiliza um adenovírus de chimpanzés para apresentar a proteína spike ao sistema imunológico. Na última etapa dos estudos clínicos, os voluntários serão acompanhados por 12 meses, até junho do ano que vem.

No entanto, a multinacional AstraZeneca, responsável pela fabricação do medicamento em nível mundial, espera ter resultados confiáveis em setembro. A empresa já iniciou a produção da vacina e planeja começar sua distribuição ainda em 2020, caso os resultados da terceira fase dos estudos clínicos sejam positivos.

Efeitos colaterais

Fadiga e dor de cabeça, respectivamente, apareceram em 71% e 68% dos voluntários que receberam a vacina sem paracetamol, sendo os efeitos colaterais mais comuns

Leia também nosso artigo sobre Brasil chega nos 2 milhões de casos de coronavírus